Oficina de Redes Sociais no Sindicato desperta grande interesse

 
O Departamento de Cursos do Sindicato dos Jornalistas Profissionais no Estado de São Paulo (SJSP) realizou uma oficina sobre Redes Sociais no último sábado (dia 3), que...

curso1curso1

 

O Departamento de Cursos do Sindicato dos Jornalistas Profissionais no Estado de São Paulo (SJSP) realizou uma oficina sobre Redes Sociais no último sábado (dia 3), que contou com a presença de cerca de 60 jornalistas. Com o tema "Jornalismo e a Cultura Digital", a oficina trouxe a palestra "A Internet no Jornalismo" e três oficinas demonstrativas  numa parceria com a ONG Coletivo Digital .

Em sua apresentação, o professor Charles Nisz da ECA/USP decretou que o Jornalismo não mudou, mas sim, como fazê-lo. "Os pressupostos do Jornalismo permanecem os mesmos - qualidade, ética, apuração dos fatos -, mas os meios são outros", afirmou. Nisz também pediu que os participantes ficassem sempre atentos aos dados. Chegou a dar como exemplo dois trabalhos jornalísticos que venceram o prêmioPulitzer, apenas com base em análise de dados. O professor chamou de "mito" o fato de acreditar-se que na Internet só há espaço para textos pequenos. "O que prende a atenção são histórias bem contadas", finalizou.
Logo em seguida, Felipe Cabral do Coletivo Digital falou sobre software livre e open source. Apresentou oPiratepad.Net, um site para criação de textos de forma colaborativa. Afirmou que o software livre baseia-se em "quatro liberdades": direito de uso, compartilhamento, código aberto e livremente licenciado e mantê-lo livre, ainda que haja alteração do código-fonte. Cabral também apresentou possibilidades de trabalho colaborativo usando o Google Docs.
No período da tarde, Thiago Esperandio apresentou uma oficina sobre criação de áudio e vídeo para web utilizando o Ardour, programa totalmente gratuíto que roda na plataforma Linux. Também falou sobre o Myna, editor em nuvem do site Aviary.com.
O evento foi encerrado com a jornalista Kátia Furtado, especializada em mídias sociais, especialmente o Twitter e oFacebook. Ela apresentou diversos sites com instrumentos e ferramentas analíticas que possibilitam mensurar a audiência nas redes sociais. Abordou, ainda, a instantaneidade e a confiabilidade no mundo do webjornalismo.
O evento teve o apoio da Comissão Permanente e Aberta de Jornalistas em Assessoria de Imprensa (CPAJAI) do SJSP, cujo trabalho é fomentar o debate, ao discutir aspectos legais do exercício da profissão, além de realizar seminários e workshops tendo como foco a qualificação profissional do jornalista nas assessorias de imprensa.

 

Texto de Sylvio Micelli, da CPAJAI