Nova assembleia de Rádio e TV

O Sindicato dos Jornalistas convoca a categoria empregada nas emissoras de rádio e TV para debater os próximos passos de nossa campanha salarial, para defender a recomposição dos salários e a manutenção da cláusula de PPR na Convenção Coletiva.

Entre os dias 7 a 9 de junho, as reuniões acontecerão por local de trabalho. Entre em contato com um diretor do Sindicato dos Jornalistas para participar do debate junto à sua redação.

No dia 10 de junho, às 11h e 20h, acontecerá a assembleia virtual estadual. O link será enviado nos grupos de whats app de redação com o sindicato, ou inscreva-se: bit.ly/32ygyGR

O que está em pauta

Na última rodada de negociação da campanha salarial (25/5), o Sindicato Patronal reforçou sua intransigência e indisposição em negociar. Apresentou nova proposta, bastante semelhante àquela que havia sido rejeitada pela assembleia dos jornalistas, atualizada pelo fato do andamento do tempo.

  • reajuste salarial parcelado, com 2,25% a partir da folha salarial de julho/21, e 2% a partir da folha de setembro/21, perfazendo um reajuste, ao final do período de 4,3%;
  • abono salarial 14% de um salário (como uma compensação de 2% para cada mês desde a data base, pela ausência de retroativo);
  • fim da PPR.

Autorizada pela nossa última assembleia, a comissão de negociação do Sindicato dos Jornalistas SP solicitou um recesso para apresentar uma contra-proposta de pronto, mantendo o objetivo principal de não acumular qualquer perda inflacionária ao final do período e manter a PPR na Convenção (mesmo que, excepcionalmente, possamos avaliar um valor abaixo dos anos anteriores).

Buscando mostrar disposição de negociação e para aproximar as duas propostas, a comissão de negociação formulou o que segue:

  • quanto ao reajuste salarial, admitir a mecânica pela qual o valor retroativo seria pago na forma de abono, mas correspondente a 3% por mês, somando 21% de um salário;
  • pagamento do reajuste pelo índice do INPC, de 5,2%, na folha salarial de junho;
  • manutenção da cláusula de PPR, admitindo, para o ano corrente, que seja paga a 50%.

Participe das reuniões e assembleia e nos ajude a construir os próximos passos!