Fotojornalista é ferido em mais uma ação violenta da PM de São Paulo

Por Redação - Sindicato dos Jornalistas de São Paulo / fotos: Lucas Chieriguini

Fotojornalista relata escalonamento da repressão contra a imprensa durante os atos contra o governo BolsonaroFotojornalista relata escalonamento da repressão contra a imprensa durante os atos contra o governo Bolsonaro

O repórter fotográfico Lucas Ettore Chieriguini foi ferido por estilhaços de bombas atiradas pela polícia militar enquanto cobria a manifestação contra o governo Bolsonaro no último sábado, dia 24 de julho, na capital paulista.

O Sindicato dos Jornalistas Profissionais no Estado de São Paulo (SJSP) entrou em contato com o profissional para prestar solidariedade e se colocar à disposição para ajudá-lo no que for preciso.

Ferimento do fotojornalista Lucas, casado por estilhaços de bomba durante o protesto contra o Governo Bolsonaro em 24 de julhoFerimento do fotojornalista Lucas, casado por estilhaços de bomba durante o protesto contra o Governo Bolsonaro em 24 de julhoLucas acompanhava a passeata quando, próximo ao Cemitério da Consolação, a polícia militar reprimiu parte dos manifestantes com bombas de efeito moral. Mesmo estando a distância do conflito, fragmentos do projétil caíram próximos aos jornalistas presentes no ato, e atingiram o repórter fotográfico na parte interior de sua coxa direita.

“Felizmente está tudo bem. Só uma boa ralada, um incomodo da cicatrização”, aponta o profissional. “Recentemente parece estar ocorrendo um escalonamento da repressão contra a imprensa”, diz o jornalista, que também esteve presente no ato do dia 3 de julho.

Atitudes violentas contra a imprensa têm aumentado, sobretudo durante atos contra o governo Bolsonaro. No dia 3 de julho, ao menos cinco profissionais relataram agressões ao Sindicato. O SJSP e a Federação Nacional dos Jornalistas (Fenaj) repudiam mais essa violência, e exigem das autoridades o respeito ao exercício do trabalho jornalístico.