Estudo da Unesco aponta aumento acentuado na violência online contra jornalistas mulheres

Um estudo pioneiro da UNESCO aponta para um aumento acentuado na violência online contra jornalistas mulheres e revela como esses ataques estão agora inextricavelmente ligados à desinformação, discriminação interseccional e política populista. 

‘The Chilling: Tendências globais na violência online contra jornalistas mulheres’ apresenta um extrato editado de um estudo interdisciplinar realizado pelo Centro Internacional para Jornalistas (ICFJ). O primeiro do tipo em termos de escopo e metodologia, é baseado em uma pesquisa global com 901 jornalistas de 125 países; longas entrevistas com 173 jornalistas e especialistas; dois estudos de caso de big data avaliando mais de 2,5 milhões de postagens em mídias sociais dirigidas a jornalistas proeminentes Maria Ressa (Filipinas – ganhadora do Prêmio Mundial de Liberdade de Imprensa Guillermo Cano 2021) e Carole Cadwalladr (Reino Unido); 15 estudos de caso detalhados de países; e uma revisão da literatura cobrindo centenas de publicações de pesquisas acadêmicas e da sociedade civil. 

O documento para discussão fornece fatos concretos e análises detalhadas sobre as seguintes descobertas principais:

  • Os ataques online têm impactos na vida real. Não apenas afetam a saúde mental e a produtividade, mas os ataques físicos e o assédio legal são cada vez mais disseminados online.
  • A misoginia se cruza com outras formas de discriminação. Jornalistas mulheres que também são prejudicadas pelo racismo, homofobia, preconceito religioso e outras formas de discriminação enfrentam exposição adicional a ataques online, com impactos piores.
  • A violência online de gênero se cruza com a desinformação. Enquanto as campanhas de desinformação orquestradas armam a misoginia para esfriar a reportagem crítica, a reportagem sobre a desinformação pode ser um gatilho para ataques intensificados.
  • Ataques online contra mulheres jornalistas têm motivos políticos. Atores políticos, redes extremistas e mídia partidária são identificados como instigadores e amplificadores da violência online contra mulheres jornalistas.
  • As plataformas de mídia social e organizações de notícias ainda estão lutando para responder com eficácia. No contexto de um ecossistema de informações cada vez mais tóxico, as plataformas são vistas como os principais facilitadores da violência online. Quando as jornalistas recorrem a elas ou a seus empregadores em meio a uma tempestade de violência online, muitas vezes deixam de receber respostas eficazes e até enfrentam comportamentos de culpabilização das vítimas.

Uma equipe de 23 pesquisadores internacionais de 16 países, liderados por Julie Posetti, Nabeelah Shabbir, Diana Maynard, Kalina Bontcheva e Nermine Aboulez, contribuíram para o estudo. 

Relatório completo
As 26 principais descobertas preliminares em um relance
Capítulo 1 – Introdução
Capítulo 2 – Análise temática global: principais tendências
Capítulo 3 – Maria Ressa: No centro de uma tempestade de violência online
Capítulo 4 – Carole Cadwalladr: A iluminação a gás em rede de um alto impacto repórter investigativo
Capítulo 5 – Conclusão e recomendações

Este documento de discussão está disponível em Acesso aberto sob a licença Attribution-ShareAlike 3.0 IGO (CC-BY-SA3.0 IGO) ( http://creativecommons.org/licenses/by-sa/3.0/igo/(o link é externo)) Ao usar o conteúdo desta publicação, os usuários aceitam os termos de uso do Repositório de Acesso Aberto da UNESCO ( http://en.unesco.org/open-access/terms-use-ccbysa-en ).