Após novos atrasos de salários, trabalhadores da Rede Mundial retomam greve

Na manhã da última quarta-feira (8), sindicatos organizaram assembleia para dar continuidade à luta

Por Redação - Sindicato dos Jornalistas de São Paulo

Estado de greve é aprovado pela segunda vez. Em novembro, a greve durou 11 dias / Foto: Eduardo Viné Boldt

Após uma greve de 11 dias no último mês de novembro, os trabalhadores da Rede Mundial retornaram à luta após novos atrasos de salários. Desta vez, a primeira parcela do décimo terceiro não foi devidamente depositada para uma parte dos funcionários, além de nenhuma sinalização do pagamento dos salários no quinto dia útil. 

Na manhã da última quarta-feira (8 de dezembro), o Sindicato dos Jornalistas Profissionais no Estado de São Paulo (SJSP), o Sindicato dos Trabalhadores em Empresas de Radiodifusão e Televisão no Estado de São Paulo (Radialistas-SP) e o Sindicato dos Empregados em Instituições Beneficentes, Religiosas e Filantrópicas de São Paulo (SEIBREF-SP) organizaram uma assembleia com os trabalhadores na frente da porta da empresa, com a aprovação da retomada da greve até que todos os vencimentos sejam devidamente pagos. 

Atualmente, cerca de 5 jornalistas, 100 radialistas e outros 300 trabalhadores da Igreja Mundial do Poder de Deus são afetados pelos recorrentes atrasos nos salários. Após a aprovação do estado de greve no último dia 21 de outubro, os trabalhadores avançaram para a paralisação das atividades diante do desrespeito aos seus direitos no último dia 9 de novembro. 

A greve levou à uma audiência de conciliação realizada no Tribunal Regional do Trabalho da 2ª Região (TRT-2). No acordo, a Rede Mundial realizou os pagamentos do salário de outubro até o dia 19 de novembro, além de não descontar os dias parados e uma estabilidade de 90 dias aos trabalhadores. 

Com os novos atrasos nos salários referentes a novembro, os trabalhadores voltaram a cruzar os braços por tempo indeterminado.