Sindicato denuncia omissão da Record Litoral diante de casos de coronavírus

Emissora confirma casos, mas não adota medidas adicionais e profissionais temem contaminação

Por Adriana Franco - Sindicato dos Jornalistas de São Paulo

Em ato nesta segunda-feira, SJSP denuncia omissão da Record diante de casos de coronavírus no ambiente de trabalho / Foto: Victor MartinsEm ato nesta segunda-feira, SJSP denuncia omissão da Record diante de casos de coronavírus no ambiente de trabalho / Foto: Victor Martins

Um ato realizado na manhã desta segunda-feira, dia 22, pelo Sindicato dos Jornalistas Profissionais no Estado de São Paulo (SJSP) denunciou a ocorrência de coronavírus no ambiente de trabalho da Record Litoral, em Santos, sem que a emissora tivesse adotado medidas adicionais para evitar a contaminação dos demais profissionais.

Diretores e apoiadores chegaram à emissora antes das 7 horas da manhã, hora em que os primeiros profissionais entram na emissora, em um ato de solidariedade aos profissionais e para alertar as ocorrências dos casos e o descaso da Record Litoral. O SJSP manteve a mobilização até conseguir se reunir com representante da empresa. Porém, a gerente limitou-se a dizer que estavam providenciando uma cabine de desinfecção e que as medidas tomadas pela empresa até agora eram suficientes, não querendo ouvir as reivindicações do Sindicato.

Solange Santana, diretora da Regional Santos do SJSP, informa que o Sindicato esperava que houvesse, diante da notificação de ocorrências no ambiente de trabalho dos jornalistas, uma desinfecção da redação nesta segunda-feira (22) e a dispensa dos profissionais para evitar contaminações, no entanto, não foi o que ocorreu. O Sindicato já havia entrado em contato por e-mail com a emissora no domingo (21), após receber a denúncia da ocorrência de um caso de contaminação de profissional da empresa durante a semana, mas não obteve retorno.

Ao receber a sindicalista, a gerente de RH da Record Litoral, Rose Diniz, confirmou a existência de dois casos de contaminação entre seus profissionais – um operador de vídeo e uma arquivista -, mas disse que a empresa adotou as medidas necessárias, sem citar qualquer uma executada após a confirmação dos casos. A gerente do RH afirmou que o primeiro caso ocorreu há cerca de duas semanas e, a princípio, foi diagnosticado como dengue. Só que, após a confirmação de coronavírus, tanto os profissionais que atuam na empresa, como o Sindicato, não foram comunicados.

Para Solange, se a empresa houvesse adotado as medidas recomendadas pelo SJSP, como o Comitê específico com acompanhamento do Sindicato, talvez os casos não tivessem ocorrido. “A Record Litoral não adotou medidas adicionais imediatas de prevenção com a confirmação dos casos: não fez testagem dos profissionais, não monitorou os profissionais que tiveram contato com os contaminados e não realizou a desinfecção da redação. Com isso, hoje, os profissionais foram trabalhar com medo de se contaminar”, relatou Solange.

O Sindicato tomará as medidas compatíveis com a gravidade da situação.