Covid-19 aumentou as desigualdades de gênero na imprensa, segundo pesquisa da FIJ

Mais da metade das mulheres jornalistas experimentou um aumento das desigualdades de gênero na pandemia, segundo uma nova pesquisa realizada pela FIJ entre mulheres de 52 países

A maior organização mundial de jornalistas profissionais e seu Conselho de Gênero fazem um chamamento às organizações de meios de comunicação e aos sindicatos para que façam da igualdade de gênero uma prioridade em sua resposta à pandemia e exijam medidas concretas para proporcionar, à suas colegas mulheres, condições decentes de trabalho. A pesquisa da FIJ sobre os efeitos da pandemia nas mulheres jornalistas foi realizada entre 19 e 30 de junho.

Mais da metade das entrevistadas reconheceram um aumento das desigualdades de gênero nas empresas, com consequências devastadoras em sua conciliação da vida profissional e privada (62%), nas responsabilidades profissionais (46%) e nos salários (27%).

A entrevista realizada com 558 mulheres jornalistas, entre as quais 66% declarou ser sindicalizadas, também revelou que, como resultado da pandemia de coronavírus:

- Mais de ¾ das entrevistadas viram aumentar seu nível de estresse, e a metade delas assinalou que a causa principal eram as múltiplas tarefas;

- Mais de ¾ das entrevistadas disseram que o nível de assédio (inclusive online) e a intimidação não aumentaram durante a crise;

- Mais da metade das entrevistadas disseram que a sua saúde havia sido afetada, o que resultou para quase ¾ delas em problemas com insônia;

- Mais da metade das entrevistas afirmou que os sindicatos não haviam desenvolvido nenhuma estratégia específica para fazer frente às desigualdades de gênero durante a pandemia;

- Somente 4 de cada 10 mulheres jornalistas afirmaram que receberam equipamento de proteção de seus empregadores;

- 60% disse que sua empresa havia proporcionado algum tipo de protocolo para o teletrabalho;

- Um terço das entrevistadas afirmaram que trabalharam principalmente de casa e outro terço tem trabalhado na redação e 15% trabalhou principalmente em campo;

As entrevistadas enumeraram diversas razões como causas de estresse, entre elas o trabalho em isolamento, o assédio dos chefes, o cuidado da família e a educação domiciliar, as tensões domésticas, o aumento da carga de trabalho e os habituais ajustes de prazo, as longas jornadas de trabalho, o impacto psicológico da cobertura de covid e o temor de perder o emprego.

Uma jornalista da Indonésia disse: “Alguns meios de comunicação fecharam ou cortaram seus colaboradores e tem reduzido seus salários de nível médio e alto. Temo que minha redação também feche. Também estou estressada com a conexão da internet e a grande atenção frente ao notebook todo o dia e noite.” “Em todas as parceiras heterossexuais que conheço, a mulher tem sido a mais afetada pela situação”, disse uma jornalista da Espanha.

“As mulheres estão trabalhando de casa, fazendo malabarismo com o cuidado das crianças e educando os filhos junto com o seu trabalho. Algumas têm reduzido suas horas de trabalho para fazer frente a isto, outras tiveram que arriscar a saúde dos seus pais vulneráveis para cuidar de seus filhos em vez do pai assumir a metade das tarefas”.

As entrevistadas formularam recomendações concretas para melhorar os protocolos de teletrabalho, como a necessidade de que os empregadores proporcionem equipamentos de trabalho adequado, incluindo uma banda larga suficiente, definam as horas de trabalho e de descanso e compreenda a realidade de trabalhar em casa enquanto cuida das crianças.

Mais de dois terços das entrevistadas assinalaram as repercussões negativas dos cortes do financiamento dos meios de comunicação nas estratégias de gênero do setor. E ainda denunciaram o foco no benefício e na competição, que excluiria o trabalho com recorte de gênero e mudaria as prioridades dos meios de comunicação, bem como a situação mais precária das mulheres, que as converte nas mais afetadas pelas políticas sociais e de remuneração.

Em geral, a maioria das entrevistadas estiveram de acordo em que as melhores estratégias para alcançar uma nova norma de igualdade de gênero eram de natureza econômica: mais financiamento, melhores salários, mais oportunidades de ascensão profissional.

“A luta pela igualdade entre os gêneros deve ser abordadada com caráter prioritário. O equilíbrio entre as horas de trabalho e as privadas deve se estabelecer claramente. A igualdade de salários deve ser considerada como nova normalidade”, disse uma fotógrafa da Suiça.

A presidenta do Conselho de Gênero da FIJ, Maria Angeles Samperio, disse: “Os meios de comunicação e os sindicatos devem fazer muito mais para abordar as desigualdades de gênero e ter em conta a conciliação da vida laboral e privada nestes tempos turbulentos. Devem escutar os pedidos das mulheres que tem sido profundamente afetadas pelo estresse durante o covid-19 e responder a elas. É hora de estabelecer políticas adequadas de teletrabalho, garantir o apoio das mulheres em suas tarefas familiares e proporcionar-lhes um trabalho decente e com igualdade de remuneração.”

O secretário geral da FIJ, Anthony Bellanger, disse: “Pedimos aos nossos filiados que ponham a igualdade de gênero como prioridade em sua agenda e que reflitam sobre a melhor maneira de apoiar mulheres sindicalizadas. Este apoio inclui disponibilizar dados sobre as mulheres na profissão, integrar o gênero em todas as atividades, oferecer formação, situar as mulheres em postos de liderança nas próprias estruturas dos sindicatos, criar comitês de mulheres e políticas de gênero e negociar melhores acordos para as mulheres com os diretores dos meios de comunicação. É urgente mudar o discurso para alcançar que o gênero seja um tema importante na nova normalidade.”

Para conhecer os resultados da pesquisa, clique aqui.