Centrais sindicais divulgam nota de solidariedade à greve dos petroleiros

“As centenas de demissões no Paraná são injustas , precipitadas e demonstram a falta de um projeto voltado para os interesses do País”, diz trecho da nota, que cobra da Petrobras

Por Redação - CUT Nacional

Foto: FUPFoto: FUP

Os presidentes das maiores centrais sindicais do Brasil divulgaram nesta segunda-feira (10) nota de apoio à greve dos petroleiros e petroleiras que começou no dia 1º de fevereiro, contra as demissões na Fábrica de Fertilizantes Nitrogenados (Fafen) de Araucária, no Paraná, e pelo cumprimento do Acordo Coletivo de Trabalho (ACT).

Na nota, os sindicalistas se solidarizam com os companheiros e companheiras petroleiros e pedem sensibilidade da Petrobras e do governo que até agora se negaram a dialogar com a categoria.

"Importante reforçar a gravidade do fato de que no Brasil o contingente de desempregados já atinge quase 12 milhões de pessoas e, mesmo perante esta desastrosa realidade, o governo Bolsonaro não se constrange em acrescentar mais mil petroleiros a este nefasto índice", diz trecho da nota assinada por Sergio Nobre, presidente da Central Única dos Trabalhadores (CUT), Miguel Torres, da Força Sindical, Ricardo Patah, da União Geral dos Trabalhadores (UGT), Adilson Araújo, da Central de Trabalhadores e Trabalhadoras do Brasil (CTB), José Calixto Ramos, da Nova Central Sindical de Trabalhadores (NCST)e Antonio Neto, da Central de Sindicatos do Brasil (CSB). 

Os sindicalistas também protestaram contra o ministro Ives Gandra Martins Filho, do Tribunal Superior do trabalho (TST), que ignorou o direito de greve e bloqueou os recursos da Federação Única dos Petroleiros (FUP) e sindicatos filiados. "Causou-nos perplexidade a decisão arbitrária do ministro Ives Granda, do TST, de bloquear as contas do Sindicato dos Petroleiros, uma vez que o problema foi gerado pela intransigência da empresa que não quer cumprir a convenção coletiva da categoria".

Confira a íntegra da nota:

Centrais sindicais sobre demissões e greve na Petrobras

As centrais sindicais se solidarizam com os companheiros e companheiras petroleiros, em greve desde o dia 1º de fevereiro, e veem a público pedir sensibilidade da direção da Petrobras e do governo para a abertura de um diálogo democrático visando uma solução negociada.

A empresa demitiu 1.000 trabalhadores em Araucária, sem ao menos buscar negociação ou diálogo com as entidades de classe, e descumpriu cláusulas da convenção coletiva assinada na última data base. As centenas de demissões no Paraná são injustas , precipitadas e demonstram a falta de um projeto voltado para os interesses do País.

Importante reforçar a gravidade do fato de que no Brasil o contingente de desempregados já atinge quase 12 milhões de pessoas e, mesmo perante esta desastrosa realidade, o governo Bolsonaro não se constrange em acrescentar mais mil petroleiros a este nefasto índice.

 Causou-nos perplexidade a decisão arbitrária do ministro Ives Granda, do TST, de bloquear as contas do Sindicato dos Petroleiros, uma vez que o problema foi gerado pela intransigência da empresa que não quer cumprir a convenção coletiva da categoria.

Infelizmente, a Petrobras toma mais uma decisão nefasta com a clara intenção de enfraquecer o movimento dos trabalhadores que lutam em defesa de seus empregos e direitos.

Reafirmamos nosso apoio à categoria nesta paralisação legítima que acontece pelo País e insistimos no dialogo para solução de conflitos.

São Paulo, 10 de fevereiro de 2020                                                                                 

Sergio Nobre, presidente da CUT (Central Única dos Trabalhadores)

Miguel Torres, presidente da Força Sindical

Ricardo Patah, presidente da UGT (União Geral dos Trabalhadores)

Adilson Araújo, presidente da CTB (Central de Trabalhadores e Trabalhadoras do Brasil)

José Calixto Ramos, presidente da NCST (Nova Central Sindical de Trabalhadores)

Antonio Neto, presidente da CSB (Central de Sindicatos do Brasil)