Avança negociação de Jornais e Revistas da Capital

Empresários recuaram da tentativa de excluir ou alterar direitos da Convenção Coletiva e propuseram redação alternativa a outras cláusulas que serão avaliadas pelo SJSP

Por Flaviana Serafim - Sindicato dos Jornalistas Profissionais no Estado de São Paulo

Sindicato dos Jornalistas vai avaliar contraproposta patronal para resposta na sétima rodada. Foto: Flaviana Serafim/SJSPSindicato dos Jornalistas vai avaliar contraproposta patronal para resposta na sétima rodada. Foto: Flaviana Serafim/SJSPA sexta rodada da Campanha Salarial de Jornais e Revistas da Capital 2018-2019 ocorreu nesta quinta-feira (12) e terminou com avanços para a bancada dos jornalistas.

Após avaliação da contraproposta entregue no último dia 26 de junho pelo Sindicato dos Jornalistas Profissionais no Estado de São Paulo (SJSP), o  Sindicato das Empresas Proprietárias de Jornais e Revistas de São Paulo (SindJoRe) recuou quanto à retirada ou alteração de algumas cláusulas existentes na Convenção Coletiva de Trabalho (CCT).

Entre os itens que serão mantidos na CCT estão as cláusulas do auxílio funeral, de indenização por motivo de aposentadoria ou invalidez, da estabilidade por motivo de aposentadoria e de material de terceiros, que limita as empresas a utilizarem no máximo 25% de materiais jornalísticos produzidos por colaboradores sem vínculo empregatício.

Para as cláusulas sobre adicional de acúmulo de função e menção expressa, no contrato de trabalho, do veículo ao qual o jornalista está vinculado, o SindJoRe propôs que os itens sejam debatidos entre a bancada dos patrões e dos jornalistas na Comissão Paritária.

No caso da Participação nos Lucros e Resultados (PLR), o SinJoRe aceitou manter neste ano a cláusula como está na atual CCT, mas para o Exercício Fiscal 2018, referente à PLR de  2019, os patrões querem mudar a redação condicionando o pagamento às empresas que apresentarem lucro operacional.

O SindJoRe também propôs redação alternativa para outras cláusulas, como a regulação do trabalho intermitente e do teletrabalho ou home office, a assessoria do SJSP ao jornalista demitido no caso do item relativo ao pagamento de verbas rescisórias, e quanto aos assédios moral e sexual, que o patronal propõe combater por meio de canal de denúncias específico no site do Sindicato dos Jornalistas.

O caso da PLR e da nova redação das cláusulas propostas pelo patronal serão avaliados pela direção do SJSP.

Quanto a novas cláusulas reivindicadas pelos jornalistas, entre as quais a de liberdade e exercício da cidadania, restrição à contratação de autônomos e à terceirização, os empresários mantiveram a negativa da inclusão na Convenção Coletiva. 

Confira a íntegra da pauta de reivindicações dos jornalistas. 

Na pauta econômica, as empresas também mantiveram a proposta de reajuste de salários e benefícios em 1,76%, índice que repõe a inflação (INPC) acumulada dos últimos 12 meses até a data base, neste 1º de junho.

A sétima rodada será às 11h do próximo dia 17 ou 19 de julho, data que será definida após confirmação da agenda pelo SindJoRe. Na próxima negociação, o Sindicato dos Jornalistas responderá à contraproposta patronal após avaliação dos termos.

Acompanhe as informações atualizadas no site e redes sociais do SJSP, e saiba mais sobre as rodadas de negociação realizadas até o momento clicando aqui.